©2018 - Azeite Virgem Extra "Segredos do Côa" 

contacto

Vila Nova de Foz Côa 

Portugal

email: geral@segredosdocoa.com

Azeite Segredos do Côa

P R E M I U M

Medalha de Ouro 

New York International Competition 2018

"Azeite de Quinta” proveniente de olivais centenários, cultura tradicional de sequeiro, não intensiva. Solos xistosos, de encosta, em pleno Douro Superior – um “terroir” único, que lhe confere características excecionais. Em posse da mesma família, desde meados do séc. XVIII, atualmente na sexta geração. Práticas agrícolas 100% naturais, sem utilização de qualquer produto químico. Azeitonas acabadas de colher manualmente, num estado de maturação correto, dão origem a um “puro sumo” extraído a frio, em lagar de alta tecnologia. Sabor frutado verde intenso.

14.00€

First Edition

Sabor Frutado Maduro

Esgotado

Premium

Sabor Frutado Verde Intenso

14.00€

Grande Escolha

Sabor Frutado Verde Suave

12.00€

Regando a vida com ouro líquido

Quem Somos

UM POUCO DE NOSSA HISTÓRIA

 

Porquê desde 1809? Simplesmente porque a data está gravada no antigo portal, em granito, à entrada de uma das nossas propriedades, em Castelo Melhor, onde se encontram algumas das oliveiras centenárias, que dão o fruto para este azeite a que chamamos “Segredos do Côa”, a caminho das Gravuras Rupestres da Penascosa (*) próximo da foz do rio Côa, junto ao Douro.

Ainda não procurámos saber se já antes daquela época os nossos ascendentes diretos produziam azeite. Estamos em crer que sim, porque de Castelo Melhor, uma das freguesias de Vila Nova de Foz Côa, são oriundos os Santanas e os Albuquerques; de Almendra vêm os Soares e de Foz Côa, os Saraivas. Alguns membros destas quatro famílias uniram-se por casamento, permitindo assim, que os seus atuais descendentes, já na sexta geração, voltassem a produzir um azeite de marca, um precioso néctar que faz jus aos seus antepassados.

Trata-se de pequenas edições limitadas, quase nunca ultrapassando mil litros, porque não compramos matéria-prima dos terrenos vizinhos para incluir nos lotes das nossas propriedades, todas elas sitas no concelho de Vila Nova de Foz Côa, no Douro Superior / Alto Douro Vinhateiro (*).

Assim se denominam os Azeites de Quinta, por serem provenientes de “térroirs” próprios, com características únicas e homogéneas.

Pretendemos divulgar um azeite “gourmet” de extrema qualidade, para apreciar ao natural, em temperos, preparações simples, ou para ultimar uma receita criada com o mesmo carinho, igual ao que nós dedicamos para o levar até à vossa mesa.

Das nossas velhas oliveiras, de sequeiro, sem qualquer tipo de produtos químicos, ou aditivos finais, até ao vosso prato, este azeite vai com as chancelas de quem o produziu.

Deleite-se provando-o num simples pedaço de pão, ou com um descomplicado camarão ao natural, uma salada, que poderá nem levar outros temperos. Mas, se preferir, use-o como habitualmente na sua cozinha do dia-a-dia, sabendo que se trata de uma das gorduras mais saudáveis, ora consumida crua, ou suportando as mais elaboradas confeções, resistindo ao calor, sem se adulterar.

(*) - As Gravuras Rupestres e o Alto Douro Vinhateiro estão classificados pela UNESCO como Património da Humanidade. Vila Nova de Foz Côa é o único concelho detentor de duas classificações deste tipo.

 

Curiosidades

SOBRE O CÔA

O nome e o logótipo do Azeite “Segredos do Côa” é uma alusão à história que o Rio Côa nos oferece.

Nasce em clima mediterrânico no nordeste português, na Serra das Mesas, concelho do Sabugal e percorre cerca de 135 km desaguando no Rio Douro, perto de Vila Nova de Foz Côa, concelho onde se encontram as nossas terras: olivais, vinhas e amendoal. 

Nas rochas xistosas do vale do Rio Côa, há mais de 20.000 anos, o homem representou a Arte Rupestre em milhares de  gravuras e pinturas essencialmente animalistas de cavalos, bovídeos, caprídeos e cervídeos, que foi classificado pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade em 1998. É a maior exposição ao livre de Arte Paleolíca do Mundo.

 

Marque a sua visita e aventure-se no belo e primitivo.

 

Os visitantes tem acesso a três núcleos de gravuras:

 

- Penascosa (Freguesia de Castelo Melhor)
- Canada do Inferno (Freguesia de V. N. de Foz Côa)
- Ribeira de Piscos (Freguesia de Muxagata)

A Penascosa é a visita mais fácil, com grau de dificuldade baixo, com um acesso simples e um percurso pedestre curto. É o sítio mais visitado do Parque Arqueológico do Vale do Côa, pela enorme beleza e tranquilidade do local, assim como pela imensa riqueza das suas gravuras paleolíticas, bem representativas do melhor do Côa.

Show More
 
OLIVEIRAS CENTENÁRIAS

- Desde 1809 -

0
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
  • White Pinterest Icon